Login

Conceitos IV

 

Qualidade de vida: “É o nível óptimo de funcionamento físico, mental, social e de desempenho, incluindo as relações sociais, percepções da saúde, bom nível de condição física e satisfação com a vida e bem-estar” (Bowling, 1995).

Rede Social: Em sentido geral, representa uma forma interactiva e funcionalmente articulada de exercício da acção social. Consiste no facto de o Estado organizar e incentivar uma rede nacional de serviços e equipamentos de apoio às pessoas e às famílias, com a participação de diferentes serviços e organismos da administração central do Estado, das autarquias locais, das instituições particulares de solidariedade social e de outras entidades sem fins lucrativos de reconhecido interesse público.Em sentido específico, designa o conjunto de diferentes formas de articulação coordenadas entre instituições e serviços públicos (sectores do emprego, formação profissional, segurança social, acção social, educação, saúde, justiça e autarquias locais) e entidades privadas de apoio social, designadamente instituições particulares de solidariedade social, tendo em vista o combate à pobreza e à exclusão social e a promoção do desenvolvimento social. (Neves, p. 583)

Reformados: “São as pessoas que foram afastadas do circuito de produção onde estavam envolvidas” (Guillemard, 1972).

Residência: “É a resposta social desenvolvida em equipamento constituído por um conjunto de apartamentos, com serviços de utilização comum, para idosos com autonomia total ou parcial” (DEEP, 2004).

Revolução grisalha: “É o processo de envelhecimento das populações cujo ritmo, amplitude e criação de novas dinâmicas, anunciam profundas transformações sociais” (Adaptado de Carrilho, 1993).

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa: Pessoa colectiva de utilidade pública administrativa que exerce em regra, no âmbito do concelho de Lisboa, múltiplos fins de natureza humanitária e de benemerência, destinadas prioritariamente às pessoas com menores recursos, designadamente nos domínios da acção social, da prestação de cuidados de saúde, da educação, da cultura e da promoção da qualidade de vida. (Neves p. 654)

Saúde: Estado de integridade e equilíbrio físico e psíquico, que permite o nor­mal funcionamento do organismo humano. As perturbações na saúde, pro­vocadas por acidentes ou doenças, dão origem a duas eventualidades, tradi­cionalmente admitidas nos sistemas de protecção social e consagradas em instrumentos internacionais (Convenção n.º 102 da OIT e Código Europeu de Segurança Social).(Neves p. 657)

Segurança Social: Expressão que tanto é utilizada num sentido abrangente, que se confunde com a ideia geral, tendencialmente ampla, de protecção social, como num sentido mais restrito, que inclui apenas uma parte dos objectivos compreendidos naquela expressão, tal como se encontram consignados em instrumentos internacionais relevantes, como a Convenção n.º 102, da Organização Internacional do Trabalho, e o Código Europeu de Segurança Social, do Conselho da Europa. De qualquer modo, mesmo nesta última perspectiva, é ponto assente que a segurança social actual ultrapassa os limites que no passado circunscreviam os seguros sociais e a previdência social. (Neves p. 658)

Sénior: Pessoa com mais de 50 anos (Luís Jacob, 2006).

Serviço comunitário de proximidade: “É a estrutura funcional criada através de parceria formal entre instituições locais de saúde, de segurança social e outras comunitárias para colaboração na prestação de cuidados continuados integrados, constituído pelas unidades de saúde familiar ou, enquanto estas não existirem, pelo próprio centro de saúde, pelos serviços locais de segurança social, pelas autarquias locais e por outros serviços públicos, sociais e privados de apoio comunitário que a ele queiram aderir” referido no artigo 3 da Lei 101/2006 da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados.

Serviço de apoio domiciliário: “É uma resposta social que consiste na prestação de cuidados individualizados e personalizados no domicílio, a indivíduos e famílias quando, por motivo de doença, deficiência, velhice ou outro impedimento, não possam assegurar temporariamente ou permanentemente, a satisfação das suas necessidades básicas e/ou actividades da vida diária” (DEEP, 2004).

Serviço Social: Técnica de intervenção social exercida por técnicos especializados (assistentes sociais) que visa genericamente identificar as situações de carência e exclusão social nos indivíduos, famílias, grupos sociais e comunidades específicas e actuar no sentido da sua atenuação ou eliminação. Tradicionalmente ligado, no passado, a práticas de vertente assistencialista ou sócio-caritativa, o serviço social encontra-se hoje enquadrado em conceitos e objectivos de protecção social. (Neves p. 668)

Snoezelen: A palavra Snoezelen é holandesa e foi criada por Hulseggee e Verheul nos anos 60. Resulta da junção de duas palavras com significados semelhantes de “som anazalado”, “sono leve”, “sonolência”. Alude à interacção com indivíduos cujas capacidades cognitivas se encontram diminuídas, através da estimulação e integração sensorial (Luís Jacob, 2006).

Solidão: “A solidão não é apenas um desejo de relação mas da relação certa, podendo ocorrer concomitantemente com actividades sociais” Weiss (1973) ou “uma experiência desagradável que ocorre quando a rede de relações sociais de uma pessoa é deficiente nalgum aspecto importante, quer quantitativa quer qualitativamente” Perlman e Peplau (1982), Neto, M. (2004) in Diário de Noticias de 6/12/204. p 22.

Turismo sénior: “É o turismo dirigido especialmente aos mais velhos e que patenteiam um cuidado especial com as questões da acessibilidade e com a duração e intensidade das viagens” (Calçada, 2001).

Universidades da terceira idade (ou Universidade sénior ou Academia sénior): “É a resposta social, que visa criar e dinamizar regularmente actividades sociais, culturais, educacionais e de convívio, preferencialmente para e pelos maiores de 50 anos” (referido no www.rutis.org).

Valência: “É a resposta social desenvolvida no interior ou a partir de um equipamento social” (DEEP, 2004).

Velhice: “É um processo inelutável caracterizado por um conjunto complexo de factores fisiológicos, psicológicos, sociais específicos em cada indivíduo, podendo ser considerada o coroamento das etapas da vida” (Fernandes, 2002, p. 24).

Vítima: Pessoa que sofre um dano ou uma lesão, de causa natural ou provo­cados pela acção humana. A maioria das vezes, a expressão é usada, na lin­guagem corrente de protecção social, para designar, em sentido restrito, o trabalhador sinistrado por acidente de trabalho ou que contraiu uma doença profissional. (Neves p. 774)

Voluntariado: “Voluntariado é o conjunto de acções de interesse social e comunitário realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao serviço dos indivíduos, das famílias e da comunidade desenvolvidos sem fins lucrativos por entidades públicas ou privadas” referido no artigo 2 da Lei  n°71/98 de 3 de Novembro.

Voluntariado Empresarial: Apoio formal e organizado de uma empresa a empregados  que desejam servir voluntariamente uma comunidade com seu tempo e habilidadese.

Voluntário Social: forma livre, desinteressada (em regra, sem qualquer relação de conteúdo patrimonial) e responsável se compromete, de acordo com as suas aptidões próprias e no seu tempo livre, a realizar acções inte­gradas em programas de interesse social e comunitário sem fim lucrativo promovidos e realizados de forma regular por entidades públicas e priva­das, incluindo instituições particulares de solidariedade social. (Neves, p. 774)

 

pagamentos/
inscrições
publicações

Facebook